Abdução ou sonhos

Padrão

Relato do caso Sra. M. F.

 

Sempre ouvi relatos de abdução de pessoas por seres extraterrestres, na verdade nunca levei muito esse papo a sério. Relatos que em minha visão são recheados de fantasias e muita das vezes surge da mente esquizofrênica de alguns atores que relatam esses casos.  Não posso afirmar em minha analise que se trata de uma mentira ou mesmo da mente zombadora ou doente de alguém.

 

Muitos relatos são recheados de suspenses, tecnologia e até mesmo erotismo. A comunidade ufológica fica em alvoroço quando surge um novo caso que pode vir a provar alguma teoria e o suposto abduzido vira celebridade dentro do universo da ufologia e algumas vezes até na grande mídia. Estas pessoas dizem que sofrem de sintomas pós traumáticos e que tais eventos marcam suas vidas para sempre.

 

Li alguns relatos e reportagens sobre o assunto, mas nada muito convincente tirando um caso ou outro mais consistente, mas que a mim não provou nada e nem me deixou muito intrigado. A Ufologia nunca foi algo de grande interesse no meu cotidiano, apenas algumas experiências que acredito eu, serem curiosas e intrigantes, mas nada que possa afirmar serem óvnis ou fenômenos sobrenaturais.

 

Ouvi de uma pessoa um relato sobre uma abdução que me deixou um pouco intrigado mesmo não sendo o assunto em pauta no momento da conversa passei a questionar um pouco sobre isso e ouvi um relato bem interessante. Vou transcrever nossa breve conversa sobre o caso e digam o que pensam sobre.

 

Relato: M. F.

“Eu era bem pequena, tinha por volta de seis anos de idade e morava numa casa afastada do centro da cidade que tinha um quintal grande e uma janela de madeira que se abria em abas dando para uma vista linda de umas colinas onde os moradores do bairro colocavam seus animais para pastar. Aquela imagem fazia parte da minha vida, toda tarde ficava da varanda olhando o por do sol, a luz que batia no mato e os animais pastando.

 

Morava com meus pais e minha irmã mais velha, em nossa família nunca fomos acostumados a conversar sobre seres extraterrestres ou coisas do tipo, esse assunto não fazia parte das nossas conversas. Nesta idade eu nem tinha acesso a filmes de ficção científica do gênero, portanto eu desconhecia por completo o assunto.

 

Numa noite fui dormir, minha irmã no meu quarto e meus pais no deles, era um noite normal e tinha deitado cedo porque no dia seguinte teria aula. Lembro-me perfeitamente de um sonho, penso ser importante afirmar que foi um sonho e que fisicamente tenho certeza de que não fui tocada.

 

No sonho eu dormia e no meio da noite luzes muito forte apareciam atrás das colinas acima do pasto com movimentos rápidos e silenciosos, levante-me e fui ate a janela que dava vista para o local quando vi que uma das aeronaves se aproximava de mim. Fiquei em pânico congelada não consegui gritar por minha irmã ou meus pais que estavam no quarto ao lado.

Quando o objeto que era circular e grande chegou perto do meu quintal apareceu uma forte luz que veio sobre mim, a partir daquele momento minha mente se apagou por alguns instantes. Lembro-me de todas as sensações que vivi naquele momento. Quando acordei estava deitada numa espécie de maca branca num ambiente branco que parecia uma sala de cirurgia, vários seres com aparência de humanóides com olhos grandes analisavam-me e coletavam sangue de mim.

 

Ouvia sons que parecia ser uma espécie de linguagem bem diferente da nossa fonética, digo da fonética humana como a conhecemos. Não entendia nada do que falavam e aquele som não permitia que eu tivesse qualquer tipo de percepção sobre o que falavam e quais suas intenções comigo naquele lugar. Não consegui distinguir nem aparência nem sons que apontassem o gênero daqueles seres ou mesmo idade. Eram muito parecidos com apenas alguns detalhes que os diferenciavam entre si.

 

Eu estava deitada na cama envolta em equipamentos super estranhos, seres totalmente diferente do que eu já tinha visualizado antes. Fiquei ali sem qualquer noção de tempo, desde que acordei dentro do ambiente onde estava eu não dormi e lembro-me de tudo que acontecera ali. Um dos seres que ali estava olhava-me de forma diferente dos demais, em nenhum deles viu em seus olhos maldade, apenas olhares pragmáticos de quem esta fazendo um estudo científico diria eu.

 

Esse ser olhava com certa ternura, mesmo que não houvesse nenhum tipo de expressão facial que distinguisse sentimento por parte deles em relação a mim. O brilho nos olhos grandes o ovalados era como e quisesse me consolar, confortar e falar que aquilo era apenas um procedimento rápido e que tudo ficaria bem. A impressão que tive era de ser um olhar feminino e maternal.

 

Durante o sonho na ida para o ambiente que estava eu apaguei, apenas acordando já no local com os seres junto a mim, mas na volta eu me lembro de certa etapa da volta quando do alto vi o que supostamente fosse meu bairro visto de cima, de uma forma que jamais vira antes.

 

Nesta época não existia Google maps e nunca havia voado de avião, vi o que seria o telhado de um grande supermercado que havia em meu bairro, a estrada na qual pegava o ônibus da escola todas as manhãs, as colinas perto da minha casa meu terreno e inclusive o jardim de minha mãe na parte da frente de minha casa. Passei após o acontecido a ter um senso de direção muito maior em meu bairro e tinha uma perspectiva muito maior que meus amigos da escola e do bairro.

 

Lembro-me de quando me aproximei da minha casa eu sentir-me tonta e acordei já em minha cama, dormindo ao lado da minha irmã sem nenhum arranhão ou trauma. Acordei bem e com a impressão que aquilo seria algo que me transformaria como pessoa. Tenho hoje a mesma impressão de antes, dentro de mim sei que aquilo mudou um pouco do meu ser e isso faz parte da minha vida desde então.

 

“Você é a primeira pessoa que conto esse fato Reynaldo.”

 

M. F. 32 anos.

O caso dos óvnis na Ilha de Trindade ES

Padrão

Em 16 de janeiro de 1958 o navio Almirante Saldanha, da Marinha do Brasil, estava próximo à Ilha de Trindade, no litoral brasileiro e sua tripulação fazia pesquisas associadas ao Ano Geofísico Internacional. Presente no navio havia varias personalidades do universo científico assim como oficiais de alta patente da marinha.

O fotógrafo profissional Almiro Baraúna juntou-se a tripulação do navio-escola Almirante Saldanha, para pesquisar a Ilha de Trindade, no litoral do Espírito Santo. O navio estava atracado, preparando-se para retornar ao continente, quando algo aconteceu.

Baraúna bateu algumas fotos do local um pouco antes e estava deitado no convés, passando mal. Tinha uma forte dor de cabeça e enjôo. De repente, por volta das 12h15min horas, percebeu uma grande movimentação na embarcação. Os marinheiros chamavam sua atenção para algo no céu.

O capitão Viegas, da Aeronáutica, chamou Baraúna e pediu para que fotografasse aquele objeto nos céus. Baraúna pegou a sua máquina Rolleiflex e conseguiu fazer seis fotografias. Segundo ele, perdendo duas fotos, a quarta e a quinta, devido à velocidade do objeto.

O filme foi revelado imediatamente segundo fontes com 48 testemunhas confirmando que as imagens do negativo eram exatamente iguais ao objeto que viram sobrevoando a ilha. Muitas testemunhas incluindo oficiais e personalidades cientificas estavam presente e confirmaram todo o ocorrido.

O caso virou febre na comunidade ufológica brasileira pelos fatos que haviam sido relatados por todos, confirmando sua veracidade, finalmente supostas imagens verdadeiras sobre a existência de óvnis.

Após o ocorrido Baraúna voltou para Niterói onde morava e mandou ampliar as imagens do negativo, assim podendo ver melhor as imagens e confirmando os óvnis nela. A marinha não tocou mais no assunto após liberar a divulgação das imagens primeiramente para o jornal O Correio da Manhã através do próprio governo.

Em 2010 a verdade sobre o óvni da Ilha de Trindade surgiu. Uma amiga da família de Baraúna relatou o que ouviu da boca do próprio fotógrafo: ele forjou as imagens, foi uma montagem.

“Ele pegou duas colheres, juntou, e improvisou uma nave espacial e usou de pano de fundo a geladeira da casa dele. Ele fotografou na porta da geladeira um objeto com a iluminação perfeita porque ele calculou tudo e não era bobo. Ele ria muito”, comentou Emília Bittencourt. O acervo de Baraúna está com uma sobrinha dele, que não quis gravar entrevista, mas confirma a fraude.

Um dos maiores casos ufológicos do Brasil virou pó ao se revelar a verdade. Isso se tornou um alerta para um debate mais sério acerca dos fenômenos ufológicos.

A Noite Oficial dos Óvnis

Padrão

O Brasil é uma nação povoada por lendas e folclores que se traduzem nas artes, historia e na crença popular. Eventos que fogem ao natural sempre fizeram do imaginário popular o estopim para uma atmosfera cultural rica. A crença em algo é compartilhada por muitos que materializam esta identidade coletiva que une o ateu ao cristão ou o espírita ao evangélico.

No dia 19 de maio de 1983 muitas pessoas em varias partes do Brasil presenciaram um avistamento em massa de objetos voadores não identificados que sobrevoaram o espaço aéreo do Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Paraná.

Cerca de vinte Objetos Voadores Não-Identificados, foram detectados pelos radares do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I), com sede em Brasília.  Imediatamente duas operações com caças da Força Aérea foram para interceptar os objetos que sobrevoavam grandes cidades deixando-se ser avistados e filmados.

Luzes coloridas, objetos esféricos  em alta velocidade ou parados percorriam parte do Brasil causando espanto, fascinação e curiosidade, chamando a atenção com grande cobertura da mídia e o recente governo para o fato insólito que ocorria nos céus.

Assista aqui o vídeo de um telejornal sobre o caso!

Complicada para entender e difícil explicar como tal coisa poderia ocorrer de forma tão clara sobrevoando varias capitais e cidades aos olhos da população durante horas seguidas.

Existem vários relatos, vídeos, fotografias e textos sobre o assunto na internet e é considerado o cálice sagrado da ufologia no Brasil. Esse fenômeno aqueceu o debate no país sobre a existência de vida e tecnologia extraterrestre e que tipo de interesses eles poderiam ter ficando expostos nos céus do país inteiro.

Teorias nascem a todo tempo sobre sua existência, o que pretendem e o que podem causar de ruim ou de bom a civilização humana, crendices populares, ritualismo e fé tentam explicar o inexplicável. Ir ao campo do misticismo ou ater-se apenas ao palpável e material?

No campo do desconhecido é difícil mediar a razão com o mito, sempre que chegarmos à conclusão alguma sobre um acontecimento especifico é inerente que tenderemos ao campo mítico em busca dos fatos. Não necessariamente acreditamos em algo que nos desperte o interesse, um bom exemplo são os jogos, seriados e filmes que nos concentramos e dedicamos tempo, mas temos como uma distração. O limite sobre o que acreditamos e o que nos deixa curiosos é tênue.

Sobre A Noite Oficial dos Óvnis, existem vários sites com bastante informação precisas sobre o acontecimento, declarações e imagens.

Veja mais:

http://curt.cc/ah3rw

http://www.infa.com.br/a_noite_oficial_dos_ovnis.html

http://curt.cc/appwb

Especial Ufologia Brasil

Padrão

Alguns fatos relevantes ocorreram durante toda historia da humanidade, aparições, revoadas, luzes brilhando no horizonte, fenômenos esses que marcaram vidas e causaram polemicas. Não são todas as pessoas que já avistaram algo alem do natural pelos céus, mas muitas pessoas relatam situações semelhantes de avistamento e não são poucas pessoas.

Muitos estudiosos buscam desvendar mistérios relacionados a avistamentos por todo o mundo, luzes, movimentos sinuosos e até mesmo barulhos são analisados por especialistas. A verdade é que até hoje nada se provou em relação a estes fenômenos que continuam no mito popular e levando muitas pessoas a crer em sua existência. Bom, apesar das analises não provarem a existência de extraterrestres, não descartam sua existência. Hoje o que se mais vê na internet são supostas imagens de aparições nos céus que se provam falsas, na verdade quase que 99% das vezes.

Este tema desperta muito interesse por parte de editoras, estúdios de cinema e indústria de games e por estar constantemente no imaginário das pessoas quando ocorre um fato tem divulgação rápida e muitas teorias são postas na mesa.

O fato é… Ocorrem situações que são realmente misteriosas e que a poucas provas materiais do acontecimento quando analisadas deixam duvidas no ar. Se o especialista percebe que não há manipulação nas imagens ele passa a estudar o que se tem em mãos de forma mais cientifica. Será um fenômeno natural atmosférico? Será uma aeronave militar? Perguntas como estas são feitas para se chegar a alguma conclusão, mas muitas ficam sem respostas.

Relatos históricos de pessoas importantes estão presentes nas discutições como no caso aqui no Brasil. O Padre José de Anchieta que relatou desta forma o acontecimento: “Um estranho fenômeno luminoso que atacava e assustava a tribo. A coisa se deslocava e deixava um rastro luminoso e acometia os índios como curupira.”

Leia mais: http://www.ufo.com.br/home

Outros relatos históricos como o de Cristovão Colombo: “Enquanto estava patrulhando o convés da Santa Maria, aproximadamente às 23h00, em 11 de outubro de 1492, Colombo teria visto uma “luz muito brilhante a uma grande distância”.  Ele chamou apressadamente Pedro Gutierrez, que também viu a luz.

Após um breve período,  a luz desapareceu, reaparecendo várias vezes durante a noite, e a cada vez que aparecia ela subia e descia.

Leia mais: www.ovnihoje.com

Nesta época o que voava era passarinho, não existia uma idéia preconcebida sobre como devem ser disco voadores ou coisas do tipo. O que era diferente nos céus era realmente estranho e não tinha explicações tecnológicas para isso, apenas fenômenos sobrenaturais.

Minha idéia é postar artigos nos próximos dias falando sobre fatos interessantes que ocorreram nos céus do Brasil inclusive com declarações oficial dos militares. Casos como a “Operação Prato” e “A noite oficial dos óvnis” marcam a historia da ufologia no Brasil.

Editorial

Padrão

 

Tinha sete anos, era um garoto normal de classe media que convivia com um ambiente cético e racional. Não existia o sobrenatural e o desconhecido sempre foi tratado com muita reflexão. Discos voadores, extraterrestres entre outras coisas nunca fizeram parte da minha realidade até então.

Lembro-me bem de um objeto esférico que a luz do dia apareceu nos céus da minha cidade, era de um tom alaranjado fosco, estava a uma altura considerável, mas dava pra ver a forma externa com certos detalhes. Era como uma bola e tinha em volta como que um anel, não emitia nenhum tipo de luzes ou raios. Ele estava visível ao pôr-do-sol.

O objeto ficou ali por quase duas horas, lembro de tomar banho e jantar e o objeto continuava ali. Quando anoiteceu ele emitia uma luz fraca e fosca que apenas deixava mostrar suas formas, depois de algum tempo simplesmente foi embora. Uma lembrança forte da infância que nunca me convenceu da existência dos óvnis e muito menos me tornou incrédulo sobre sua existência.

Tive algumas outras experiências que me deixaram ainda com mais duvidas sobre esse tema tão misterioso e atraente que faz parte do consciente coletivo e nos leva muitas vezes a pensar sobre o assunto. Mas além da crença ou da critica está a curiosidade que me leva a pesquisar sobre alguns fatos que em minha opinião merecem alguma atenção.

Por toda a historia da humanidade houveram avistamentos de objetos estranhos que deixavam rastros de luz pelos ares e voavam em alta velocidade, muitas das vezes contam-se casos de contato direto entre antigas civilizações e estes seres. Nos tempos atuais muito se fala e nada se prova verdadeiro, apenas experiências contadas por muitas pessoas que nunca são provadas.

Não quero provar a existência de nada e muito menos convencer alguém sobre essa existência, eu mesmo sou bastante cético. Quando olho para os céus e vejo a imensidão e o mistério envolto, fico fascinado pelas infinitas possibilidades. Pretendo apenas escrever um pouco sobre o assunto e se possível iniciar um debate racional sobre o tema que sempre nos leva a imaginar além das lendas.